Do papel ao vídeo - Texto Bruno Mendonça

*Do Papel ao Vídeo - Mostra itinerante. Curadoria Bruno Mendonça


Rafaela Jemmene. Desenho da série: "Lugar, Espaço e tempo". Desenho, grafite sobre papel quadriculado vegetal, 14,7 x 29,7 cm, 2012. (Um dos que desenhos que participa da mostra de vídeo do papel ao vídeo).

*Do Papel ao Vídeo - Mostra itinerante. Curadoria Bruno Mendonça

A mostra itinerante Do Papel ao Vídeo tem como mote trazer trabalhos em papel e vídeo de artistas com os quais eu tenho colaborado ativamente nos últimos anos através do meu trabalho curatorial com a plataforma sobrelivros. Estes artistas possuem uma produção multimídia, interdisciplinar e híbrida que engloba desde trabalhos em arte impressa/papel – como livros de artista, publicações e múltiplos de uma forma geral – até produções sonoras, audiovisuais, performáticas e de outras naturezas. A dupla Fernanda Figueiredo e Eduardo Mattos, por exemplo, transita ativamente pelos campos do vídeo, da fotografia, da ilustração, do desenho e da música, mas em toda essa cadeia de suportes a dupla revela uma grande pesquisa acerca da ficção, da representação e de referências simbólicas da cultura de massa. No caso do artista Renato Pera, podemos observar em seus trabalhos um estado de “ensaio”, no qual todos os trabalhos fazem parte de uma pesquisa profunda sobre o real, o construído e o alterado – como coloca o curador e arquiteto – Marcelo Salles. Observando os trabalhos de Renato Pera tanto na materialidade do papel quanto no tempo e espaço do vídeo podemos perceber esse caráter “pseudo-científico”. Já as artistas Fernanda Grigolin e Patrícia Francisco, cada uma a seu modo, fundem em suas pesquisas repertórios e referências dos campos da literatura e do cinema, além de realizarem de forma profunda uma prática de arquivo, complexificando as noções de memória. Os artistas Felippe Moraes, Raquel Stolf e Rafaela Jemmene de certa forma se aproximam, tanto pela forma experimental de seus vídeos, tanto pelas questões que perpassam suas pesquisas, trabalhando temas como o vazio, o silêncio e o espaço apontando em seus trabalhos um caráter de projeto. Podemos traçar relações também entre as artistas Leticia Rita, Paula Ordonhes, Neiliane Araujo e Katia Fiera. Todas com suas particularidades ampliam as possibilidades do desenho e revelam uma potência deste para além do papel, desmistificando o desenho e o levando para uma digitalidade. Além disso, trabalham com processos narrativos interessantes, que revelam discursos críticos, irônicos e subjetivos. Por fim a ideia da mostra é revelar ao público como a poética de cada artística pode atravessar diversos suportes, indo do papel ao vídeo. Na mostra, o público poderá contemplar esse percurso criativo realizado por esses artistas, observando como a poética e a pesquisa de cada um se desdobra em plataformas e mídias variadas. A leitura dos vídeos e dos livros no mesmo espaço expositivo dá ênfase a esse processo. Na mostra, o vídeo aparece como um vértice da produção desse grupo de artistas que tem em comum uma característica muito importante e específica: pensar o trabalho artístico como um projeto em processo, que se deriva de uma grande pesquisa, sendo cada desdobramento apresentado na forma de um trabalho. Artistas: Felippe Moraes, Fernanda Figueiredo e Eduardo Mattos, Fernanda Grigolin, Katia Fiera, Leticia Rita, Patricia Francisco, Rafaela Jemmene, Raquel Stolf, Renato Pera e Paula Ordonhes. Bruno Mendonça Formado em Comunicação Social pela Universidade Mackenzie e Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. De 2010 a 2012 realizou com apoio da CAPES a pesquisa “Poéticas Virais – Questões Multimidiáticas na Contemporaneidade”. Desde 2010 é organizador juntamente com a artista Rafaela Jemmene da plataforma sobrelivros. Atua desde 2007, como artista, pesquisador, educador, produtor e curador independente, organizando e desenvolvendo projetos interdisciplinares e colaborativos. Atualmente é colaborador no grupo de pesquisa Criação e Comunicação nas Mídias (CCM), na PUC SP.